Revolução Russo e sua Economia

A economia russa no início do século 20 era fomentada somente pela agricultura e suas atividades relacionadas. No comando de Czar, os camponeses, maioria absoluta dos trabalhadores, viviam na miséria e pagavam impostos exorbitantes.

O modelo czarista concentrava poder e era regido na forma de absolutismo, e não de democracia. Até mesmo a população urbana sofria de desemprego e estava insatisfeita com o modelo da época.

Nicolau II aplicou violência e exagero no episódio chamado “Domingo Sangrento”, quando tropas em seu comando fuzilaram milhares de opositores que participavam de uma manifestação.

Lênin, líder trabalhista, começa a articular uma ação para combater Czar. A intenção do grupo chamado de bolcheviques era acabar com a monarquia russa.

Nicolau II incluiu a Rússia na Primeira Guerra Mundial. O dinheiro que poderia ser gasto em benefício da população foi aplicado em combate. Aumenta a insatisfação popular com o regime de Czar.

As ações czaristas levam à Rússia movimentos grevistas, tanto no campo como na zona urbana. O exército russo entra em crise. O povo clamava por democracia e melhor condição de vida.

Nicolau II não suportou a pressão e, em 1917, perdeu o comando da Rússia para o menchevique Kerenski, que assumiu provisoriamente. Kerenski assume o comando e a situação russa continua a mesma herdada de Nicolau II.

Lênin e seu grupo de bolcheviques prepararam a revolução que desencadeou em outubro de 1917.

O discurso de Lênin era socialista e prometia recuperação de economia, postos de trabalho, estabelecimento da paz e reorganização da estrutura de Estado.

Assim, Lênin assumiu o poder da Rússia e retirou o país da Primeira Guerra Mundial. As ações de Lênin foram reorganizar o comando industrial, de forma que os trabalhadores assumissem o controle das companhias, promover a reforma agrária e estatizar os bancos.

Também foi organizada a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, URSS. Esse bloco conseguiu grande desenvolvimento econômico com o modelo socialista. Isso gerou atrito com o capitalismo dos EUA, culminando na Guerra Fria.