História Heroína

A heroína é uma droga sintética, derivada da papoula, advinda a partir da morfina: substância utilizada no século XIX como analgésico e antidiarreico. Ela atua sobre receptores cerebrais específicos, provocando um funcionamento mais lento do sistema nervoso e respiratório.

Sua comercialização foi proibida na década de vinte, devido aos estudos a cerca de dependência. Entretanto, é no sudeste asiático e Europa, que essa substância é produzida e distribuída para todo o mundo ilegalmente.

Em sua forma pura apresenta-se como um pó branco e, é utilizada de forma injetável, após aquecimento. Alguns usuários inalam ou aspiram,sendo seus efeitos sentidos em média por cinco horas. Provoca sensações de bem-estar, euforia e prazer; elevação da autoestima e diminuição do desânimo, dor e ansiedade.

Dependência da Heroína, veja o que ela causa em seus usuários

O usuário torna-se dependente rapidamente, devido ao chamado nível de tolerância a droga, onde ele busca sempre a mesma sensação inicial. As sensações provocadas pela abstinência surgem vinte e quatro horas após seu uso, provocando diarreia, náuseas, vômitos, dores musculares, pânico, insônia, inquietação e taquicardia.

As formas para obter a droga se tornam o foco da vida do usuário,trazendo grandes consequências para sua saúde e vida social. Como consequências estão: constantes vômitos, diarreias e fortes dores abdominais, perda de peso, depressão, abortos espontâneos, surdez, delírio, descompassos cardíacos, incapacidade de concentração, depressão do ciclo respiratório, colapso dos vasos sanguíneos, em médio prazo.

Como a Heroína é consumida?

As formas de consumo como injeção, pode acarretar necrose de tecidos e riscos de adquirir diversas doenças, como AIDS, hepatites e pneumonias, em função da utilização de seringas compartilhadas. Grande parte dos casos de dependentes por heroína acabam em morte por overdose,em consequência de paradas respiratórias advindas de uso prolongado da droga ou uso em conjunto a outras drogas.